RSS

O “PANELAÇO” PRESIDENCIAL

11 mar

Elvira Senna é Socióloga e Historiadora formada pela UFRJ

1382377_503380296424981_2027013800_n  Quando leio justificativas do não panelaço fico me perguntando, aonde se encontram os filhos daqueles que são a favor do PT, com certeza estão nas escolas particulares em sua maioria, não misturam seus filhos com os dos trabalhadores pobres, apoiam muitas vezes professores autoritários e descontextualizados, fazem parte da máquina estatal e com ela reformam suas casas, compram carros e fazem viagens semanais, enquanto os que dizem não a esse governo mentiroso e hipócrita estão com seus filhos nas escolas públicas, pois tem a consciência que fazem parte do povo e com o povo , lutam por escola pública de boa qualidade, lutam pela melhoria para os profissionais de educação. Compactuar com as mentiras desse desgoverno é simplesmente lutar pelos seus próprios interesses, assim como fazem as elites desse país, pois já se tornaram elite e não querem sair do topo da piramide. Não pude fazer panelaço, pois minhas panelas guardam a comida, não podem ser amaçadas, não xinguei porque as vozes da periferia somente são ouvidas pela repressão com fuzis nas mãos, mas bem que gostaria de ser ouvida. Enfim , nós trabalhadores não podemos mais compactuar com as mentiras da bolsa família, 167,00 não dá nem para a cesta básica, gostaria de mandar enfiá-la no c…, daqueles que fazem propaganda para manter seu status, se o trabalhador que ganha essa mísera bolsa não meter a mão na massa vê seus filhos passarem fome….Não aguento mais as propagandas governamentais em saúde…perco todos os dias um conhecido na fila do SUS… Não aguento mais ver a propaganda da escola inclusiva quando o que me apresentam é a excludente, sinto isso todos os dias quando deixo meu filho na porta da escola…programas midiáticos… sem nenhuma preparo para os educadores…desgastes e desconforto. Não aguento mais ver o enriquecimento de empresários têxtil vendendo uniforme para escola pública, …um grande filão de mercado, …um negócio milionário…enquanto não há verba para salário digno de educadores…Enfim como eu gostaria de gritar bem alto um grande palavrão que ecoasse em uma dimensão bombástica para que todos eles fossem para a pqp. .

Eis aqui a explicação do silencioso panelaço da periferia e seus mudos gritos. Tenho certeza que a Maré, O Alemão e outras comunidades mais gostariam de se manifestar contra o Estado Mínimo e a intervenção militar que vivem, com energia caríssima, sem água, sem saúde e liberdade,. Mas como se vivem o terror diário da dominação de um Estado fascista? Certamente um panelaço alí somente justificaria e abafaria os tiros de fuzis, que aconteceriam sob a justificativa de terem pensado que o barulho das panelas era para abafar um ataque às forças militares e UPPs. Como fazer panelaço onde até manifestações pacificas têm sido reprimidas a tiros, bombas e porradas?

Todos querem saber quem bateu panela e xingou Dilma, em uma tentativa de descaracterizar uma reação de cidadania em um estado democrático. Não importa quem, sim o motivo. E não me venham dizer que foram burgueses com raiva do PT por esse ser um partido que trabalha para o povo. O PT há muito representa banqueiros, empreiteiros, concessionárias e outros empresários, protegendo o lucro desses sufocando o povo com juros e aumentos de preços. Aliás, para o povo somente vejo achatamento do poder aquisitivo e padrão de vida, enquanto o PT favoreceu em doze anos o surgimento de, nada menos que, 70 bilionários às custas do sacrifício do povo.

Anúncios
 
 

Tags: , , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: