RSS

22 fev

Apertam-me a garganta para que eu não grite,               www.imagenshumanas.com.br
e eu não grito!

Matam-me a criança que em mim ensaia um sorriso
e eu não sorrio!

Pisam-me os calos para que eu não me alegre,
e eu não me alegro;

Chamam-me de bobo quando faço graça,
e eu não me descontraio;

Fazem-me gracejos quando a dor me dilacera o peito,
para que eu não chore
e eu não choro;

Convencem-me que faz mal sentir saudades,
e eu não sinto saudades;

Ensinam-me que é feio ficar triste,
e eu não me entristeço;

Dizem-me para amar quando sinto ódio,
e eu não odeio;

Cobram-me a competição e o desamor,
quando quero apenas amar,
e eu não amo.

Loucura-Arte-300x300 Depois, onipotentes,
vêm-me falar
de minha apatia,
de minha impotência,
de minha falta de energia,
de minha insensatez,
de minha frigidez,
de minha insensibilidade,
e como já não mais lhes entendo a linguagem,
e como já não mais faço parte do mundo deles,
e como já não mais percebo a sua realidade,
rotulam-me de um nome qualquer,
e me marginalizam em uma das prateleiras da vida.

Autor desconhecido

 

Assim me sinto quando vejo a retirada das conquistas dos trabalhadores brasileiros, conseguida através de muita luta, e que muitos morreram na luta, assassinados covardemente pelos representantes do capital.

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 22 de fevereiro de 2015 em DIREITO&SOCIEDADE

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: